sábado, 20 de janeiro de 2018

Depois LGBT dão uma de vitimas, Câmera grava ataque de travestis contra motorista.

 
Ao voltar para a casa em seu carro, depois de levar a mãe para tomar uma vacina de febre amarela, um funcionário público foi assaltado por dois travestis, na avenida Indianópolis, na zona sul de São Paulo. Toda a abordagem foi registrada num vídeo que circula pelas redes sociais. O assalto ocorreu às 4h57 desta sexta-feira (19). 
                      Travestis assaltam carro em SP
Ao parar num semáforo, o funcionário público foi abordado por uma travesti que entrou bruscamente no carro e ofereceu sexo. A vítima recusa a oferta com veemência, mas a suspeita ocupa o banco do passageiro e insiste. "Eu vou entrar aqui pra gente conversar", diz. "O que você está fazendo? Eu não quero", retruca o funcionário, assustado com a situação.

Nesse momento, a travesti afirma que quer carona e chama outra travesti para entrar no banco de trás do carro. Assim que a segunda suspeita entra no veículo, ela aplica um mata-leão no motorista. "A gente não ia fazer nada não, mas você quer!", diz.

Imobilizando o motorista com os braços, a outra travesti — que está sentada no banco da frente — rouba diversos objetos da vítima. "Vocês podem levar tudo", a vítima diz. Após o roubo, a travesti que estava atrás sai do carro e ameaça: "vou meter a faca nele", mas não o faz. A travesti que permanecia no carro também sai: "Tá me tirando".

Passados dois minutos, o motorista consegue sair do local com o veículo e ir embora.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Rapaz pede divórcio da mulher que tomava apenas um banho por ano


Um homem, que não teve o nome divulgado, pediu divórcio da esposa após dez anos de casamento. E o motivo não cheira nada bem.
 Resultado de imagem para Rapaz pede divórcio da mulher que tomava apenas um banho por ano
Ele alega que a mulher, Lin, só toma banho uma vez no ano! O rapaz entrou com o processo de divórcio na corte da cidade de New Taipei, em Taiwan, alegando tortura psicológica devido aos péssimos hábitos de higiene dela. Ele disse ainda que, raramente, a mulher lavava os cabelos e que escovava os dentes apenas duas vezes no mês. O casal passou muito tempo desempregado. Logo depois de arrumar um emprego como segurança, o rapaz disse que Lin não queria que ele trabalhasse. Por conta disso, em 2015, ele saiu de casa por não aguentar mais o cheiro dela e para continuar com o trabalho. Revoltada, ela foi no emprego do então marido, o que foi a gota d'água para ele. O rapaz pediu a separação, prontamente negada por Lin. Ela diz que os pais dela o trataram como um filho durante o casamento e que só foi ao trabalho dele pois o moço não atendia mais suas ligações. A sogra do rapaz disse, em entrevista ao jornal Taipei Times, que é tudo mentira. E, além disso, ela ajudava o casal, mandando uma grana mensal para eles.

Como Lin não queria a separação, o rapaz levou o caso para o tribunal. O juiz deu causa ganha para ele que, enfim, pode respirar novos (e mais agradáveis) ares. Ainda assim, Lin pode recorrer da decisão. A indiana Rita Yadav não aceitou muito bem uma condição do marido..

A indiana Rita Yadav, de 28 anos, passou os últimos dez anos sem ter relações com seu marido, Ved Prakash, de 31 anos
E o que Rita fez? Cortou o pênis do maridão! Em depoimento, Rita explicou o motivo que a levou a cortar o amigão do marido
Ele dizia que não conseguia olhar pra minha cara, que eu era muito feia... Não aguentava mais!

Eu quero muito ter um filho. Implorava pra ele, mas ele se fazia de desentendido e que estava fazendo sexo com outras. Isso foi uma tortura pra mim nos últimos anos. Não aguentava mais.

Na noite do caso, Ved, que trabalha como taxista, chegou em casa de manhã e foi surpreendido com uma pancada na cabeça enquanto tomava banho. Ele ficou inconsciente e, enquanto estava desmaiado, Rita pegou uma faca e cortou o pênis do rapaz. Ved acordou 30 minutos depois e, com muita dor, ligou para um amigo, que o levou correndo para o hospital

O médico que atendeu Ved não teve a identidade revelada e disse, depois da cirurgia de reconstrução que durou cinco horas, que o pênis foi recolocado no lugar. "Nós conseguimos reimplantar o órgão. O problema foi que ele perdeu muito sangue e quase morreu por causa disso. Nós não podemos dar certeza de que o membro funcionará normalmente."

Rita ainda irá a julgamento e responderá pelo crime 326, que representa causar danos graves com armas letais










R7

Reforma do aeroporto de Bacabal será entregue nos próximos dias, diz Governo do Estado .

Considerados vetores para avanços no crescimento econômico e atração de novas empresas, que contribuem na geração de emprego e renda, os aeroportos do Maranhão vão começar a ter suas reformas entregues. A iniciativa está sendo liderada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), e visa a reestruturação desses espaços, que impactam também no turismo.

 
Nos próximos dias, a Seinc vai entregar as obras de reforma do aeroporto de Bacabal. O aeroporto estava fechado desde 2008 para operações de pouso e decolagens. Foram realizados serviços de reparos na estrutura de apoio, sinalização horizontal da pista, áreas verdes e manutenção de cerca patrimonial, atendendo às normas de segurança para a reabertura para as operações aéreas, seguindo as exigências do processo junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

“Nossa proposta é democratizar o transporte, turismo e fortalecer o desenvolvimento sócio econômico no estado. Bacabal teve o aeroporto totalmente reformado e em breve vamos reabrir o local para pousos e decolagens”, ressaltou Simplício Araújo.
A Seinc está à frente do projeto de implantação junto aos órgãos federais, com o intuito de acelerar a conclusão das atividades do programa. Todo o trabalho, faz parte da implantação do Programa de Aviação Regional (PIL), que visa a instalação de aeroportos em todo o País.

Balsas

Além de Bacabal, o aeroporto de Balsas está tendo a pista recuperada. Durante as obras, serão realizados serviços de manutenção corretiva e preventiva, envolvendo a recuperação da pista de pouso/decolagem, táxi e estacionamento de aeronaves,além da manutenção das cercas patrimoniais/operacionais e áreas verdes.
O aeroporto não passava por reparo na pista desde a década de 1980, e teve a proibição de pousos de aeronaves pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), após relatório de inspeção aeroportuária.

Balsas é uma das cidades com o Produto Interno Bruto (PIB) anual acima de R$ 1 bilhão, dado importante para que a gestão de aeroportos fosse possível na cidade. Com a reparação, o aeroporto poderá realizar de forma plena as operações aéreas.

Carolina

Em Carolina, município estratégico para o turismo maranhense, foram realizados serviços de manutenção do terminal de passageiros, das cercas e áreas verdes visando a segurança do aeródromo, além do recebimento de um carro contra incêndio de aeródromo (CCI) no valor de R$ 1,5 milhão entregue pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), e cessão de um prédio dentro do sítio aeroportuário para a instalação de uma Companhia do Corpo de Bombeiros, já entregue pelo governador Flávio Dino.







Governo do Estado 

A "justiça" que só pega ex; Ex-prefeito de Pio XII torna-se réu por improbidade administrativa


As irregularidades das contas do Município de Pio XII, a 270 km de São Luís, referentes ao exercício financeiro de 2009, motivaram o Ministério Público do Maranhão (MP-MA) a oferecer denúncia e ajuizar Ação Civil Pública (ACP) por ato de improbidade administrativa contra o ex-prefeito Raimundo Rodrigues Batalha e o ex-secretário municipal de Economia, Planejamento e Gestão, Everaldo Gonçalves Batalha. 
           Resultado de imagem para pio xII maranhao
Os acórdãos do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de 2015, confirmados em decisão final de 2016, atestam os “elevados prejuízos” causados aos cofres públicos. Foram gastos R$ 724.872,00, sem licitação, na aquisição de gêneros alimentícios, material elétrico e combustíveis, além de contratação de serviços de assessoria de comunicação, manutenção da iluminação pública e recolhimento de lixo urbano. 

Também foi constatado o gasto de R$ 391.693,00, de recursos do Fundo Municipal de Saúde, sem qualquer procedimento licitatório, para contratação de serviços radiológicos, aquisição de medicamentos, material hospitalar, peças para veículos e combustíveis. 

Foi requerida, ainda, a condenação ao pagamento de danos morais coletivos no valor mínimo de R$ 40 mil e a condenação dos ex-gestores ao ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores ilicitamente acrescidos aos seus patrimônios, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente.  


O órgão ministerial pediu ao Poder Judiciário a indisponibilidade dos bens dos requeridos para recompor os prejuízos causados aos cofres públicos e pagamento de multa civil. 




Rodrigo Maia tenta justificar fala sobre Bolsa Família “escraviza as pessoas”.

Em tempos de eleição, e com um olho no Planalto, o deputado Rodrigo Maia sabe que pegou mal sua afirmação de que o Bolsa Família “escraviza as pessoas”. Nesta quinta (18), ele escreveu sobre o assunto nas redes sociais.

“Eu acredito sim que o Bolsa Família paralisa as famílias. Ninguém quer passar uma vida dependendo do governo. O Bolsa Família é um programa importante na medida que atende aos que estão em situação de emergência e necessidade, mas é deficiente quando não cria formas dessas famílias deixarem de ser dependentes”, disse. 

As críticas foram feitas na última quarta (17), durante uma palestra no centro de estudos Brazil Institute, em Washington.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Sebrae e parlamentares querem derrubar veto ao Refis de micro e pequena empresa

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), parlamentares e organizações que congregam micro e pequenos empresários se reuniram nesta quinta-feira em Brasília para discutir estratégias com o objetivo de derrubar o veto à criação de um programa de refinanciamento de dívidas do governo federal para o segmento, conhecido como Refis das micro e pequenas empresas.

No dia 5 de janeiro, o presidente Michel Temer vetou integralmente o texto aprovado pelo Congresso que instituía benefícios nos termos de pagamento de débitos com a União, a exemplo do que já havia sido aprovado para grandes empresas. A justificativa para o veto é que a medida fere a Lei de Responsabilidade Fiscal ao não prever a origem dos recursos que cobririam os descontos aplicados a multas e juros com o parcelamento das dívidas.

A proposta concedia descontos em juros e multas para criar melhores condições de quitação dos débitos dessas empresas. Segundo o texto, 5% desses valores deveriam ser pago em espécie em até cinco parcelas e o restante poderia ser dividido em até 15 anos.

Durante a reunião, os participantes avaliaram que há clima para a derrubada do veto no Congresso, pois diversas bancadas apoiam a proposta. “A causa é abraçada por parlamentares de todas as linhas. É um tema suprapartidário, tratada por parlamentares do governo e da oposição e que quando da votação teve quase unanimidade”, disse o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), relator da matéria na Câmara.

Inclusão na pauta

Um dos desafios é conseguir incluir o tema na pauta do Congresso Nacional. Derrubadas de veto são temas de sessão conjunta do Parlamento, que precisam ser convocadas pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Mas a pauta das duas casas deve ficar ocupada neste início de ano com a tentativa de votação da proposta do governo de reforma da Previdência.

O Sebrae, as associações e a Frente Parlamentar Mista das Micro e Pequenas Empresas vão solicitar reuniões com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), com o intuito de pedir a inclusão do tema na pauta do Congresso. O grupo avalia que é preciso ter cuidado para não misturar o tema com a reforma da Previdência, mas quer garantir prioridade dentro da agenda do Parlamento.

Prejuízos

A preocupação do segmento é com os impactos da ausência de um programa de refinanciamento para o setor na sustentabilidade das micro e pequenas empresas. De acordo com o Sebrae, mais de 600 mil empreendedores foram notificados pela Receita Federal por dívidas com o governo federal. Quem não fizer a regularização dos débitos corre o risco de ficar fora do regime de tributação simplificado conhecido como Simples Nacional, o que pode gerar aumento de custos em razão da oneração maior.

“O governo sancionou uma série de benefícios para grandes empresas, que economizaram bilhões de reais com o Refis. Mas na hora da pequena empresa esse benefício não veio. E é este segmento que está garantindo empregos nessa maior crise econômica ocorrida nos últimos tempos”, disse o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. 



Motorista é condenado pela morte de Cristiano Araújo e Allana Morais

O motorista Ronaldo Miranda Ribeiro foi condenado a dois anos, sete meses e 15 dias de detenção, pela morte do cantor Cristiano Araújo e da namorada dele, Allana Coelho Pinto de Morais, após acidente de carro no dia 24 de junho de 2015. A decisão da juíza Patrícia Machado Carrijo, da 2ª Vara Cível, Criminal, das Fazendas Públicas, de Registros Públicos e Ambiental de Morrinhos, em Goiás, foi publicada nesta quinta-feira (18/1).

Ronaldo cumprirá a pena, por homicídio culposo, em regime aberto, e teve a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa. Por atender os requisitos do Código Penal Brasileiro (artigo 44), ele teve a pena substituída pela prestação de serviços à comunidade e pecuniária no valor de dez salários mínimos. Ele pagará R$ 25 mil de indenização para reparar os danos causados aos sucessores de cada vítima. 

Allana não usava cinto de segurança e foi projetada para fora do carro. A jovem morreu na hora, em decorrência de hemorragia intracraniana. Cristiano também não usava o item e sofreu politraumatismo grave, com múltiplas fraturas, trauma abdominal fechado, lesão de vasos sanguíneos retroperitoneais na região pélvica, lesão hepática. O cantor morreu devido a uma hemorragia abdominal maciça. O empresário dele, Vitor Leonardo Ferreira, que estava no banco dianteiro de passageiro, teve ferimentos, assim como o motorista, mas não veio a óbito.

O veículo, uma Range Rover, estava a 179 km/h no momento do acidente, na BR-153, por volta das 3h10 do dia 24 de junho de 2015. Ele perdeu o controle do veículo, saiu da pista, entrou no canteiro central e capotou, "imobilizando-se na pista contrária, em distância aproximada de 95,3 metros de onde saiu do leito carroçável da pista de origem", segundo o texto da juíza. 

A velocidade máxima permitida era de 110 km/h. A magistrada entendeu que ele tinha plena ciência sobre as condições precárias instaladas no veículo e agiu com imprudência (excesso de velocidade), negligência ("irresponsabilidade com a segurança dos passageiros") e imperícia ("ausência de qualificação ou treinamento adequado para exercer ou desempenhar determinada função"), modalidades previstas no Código Penal. 
 
 

SEBRAE= CRESCER SEM MEDO E MUDANÇAS NO SIMPLES NACIONAL ENTRAM EM VIGOR




No primeiro mês do ano, entrou em vigor a Lei Complementar nº 155/2016, também chamada de Crescer sem Medo. A legislação traz alterações à Lei Geral da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte e seus complementos, com objetivo de garantir maior sustentabilidade econômica para os pequenos negócios por meio de uma tributação mais justa e criação de novas oportunidades aos pequenos negócios, principalmente no que se refere à recuperação da economia nacional e geração de empregos.
 
O diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins, ressalta que os pequenos negócios terão novo fôlego e podem intensificar a retomada da economia.
Entre dezembro de 2016 e início de 2017, alguns dispositivos da Crescer sem Medo começaram a valer, como o parcelamento especial de até 120 meses e a implantação de regras para o investidor-anjo em empresas cadastradas no Simples Nacional. Mas as principais medidas foram deixadas para este ano de 2018, como melhorias na tributação advindas com o novo Simples Nacional; regulamentação dos investimentos anjos, ampliação de faixa de faturamento e garantia do seguro-desemprego do Microempreendedor Individual (MEI) que não tem rendimentos.

A partir deste ano, o teto anual de faturamento do MEI de R$ 60 mil para R$ 81 mil; microempresas permanecem com teto de R$ 360 mil e para as pequenas empresas foi criada uma faixa de transição de até R$ 4,8 milhões para as que ultrapassarem os R$ 3,6 milhões de faturamento anual.

A LC n.º 155/2016 reduz de seis para cinco as tabelas do Simples Nacional e de 20 para seis faixas, com a progressão de alíquota já praticada no Imposto de Renda de Pessoa Física. Assim, quando uma empresa exceder o limite de faturamento da sua faixa, a nova alíquota será aplicada somente no montante ultrapassado.

As mudanças, de acordo com o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins, darão ainda mais fôlego aos pequenos negócios, segmento relevante na recuperação da economia nacional. “A Lei Geral e as legislações que a complementam, como é o caso da Crescer sem Medo, integram um conjunto de políticas públicas voltadas para o fortalecimento dos pequenos negócios brasileiros, que respondem por mais da metade do trabalho formal no país. De janeiro a agosto do ano passado, por exemplo, os pequenos negócios foram responsáveis pela abertura de quase 400 mil postos de trabalho contra mais de 200 mil demissões das médias e grandes no mesmo período”, coloca o executivo.

Martins ressalta que, quando se trata de geração de empregos, observa-se que os pequenos negócios sempre passam à frente dos demais segmentos, gerando mais empregos, demitindo menos e sendo protagonistas em períodos de recuperação econômica ao qual vivemos hoje no Brasil.

“Todas as mudanças advindas com a Lei Geral nos últimos 11 anos, assim como as medidas complementares e pacotes lançados pelo governo, foram preponderantes para otimizar as oportunidades de mercado para os pequenos negócios com um ambiente legal mais favorável ao segmento”, aponta o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão.    

Atividades enquadradas
Algumas atividades que antes não podiam se enquadrar no Simples serão contempladas a partir deste ano: indústria ou comércio de bebidas alcoólicas, como micro e pequenas cervejarias, micro e pequenas vinícolas, produtores de licores e micro e pequenas destilarias, desde que não produzam ou comercializem no atacado; serviços médicos, como a própria atividade de medicina, inclusive laboratorial e enfermagem, medicina veterinária, odontologia; psicologia, psicanálise, terapia ocupacional, acupuntura, podologia, fonoaudiologia, clínicas de nutrição e de vacinação e bancos de leite; representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços de terceiros; auditoria, economia, consultoria, gestão, organização, controle e administração.

Deixarão de ser autorizadas as seguintes ocupações: arquivista de documentos, contador/ técnico contábil e personal trainer. O MEI que atua nessas atividades terá de solicitar seu desenquadramento no Portal do Simples Nacional.

Outra inovação estabelecida a partir de 2018 é que micro e pequenas empresas terão a possibilidade de terem investidor-anjo, que será o financiador não-sócio. Os aportes podem ser feitos por pessoas físicas ou jurídicas, inclusive fundos de investimento e instituições financeiras, ou mesmo por outras empresas optantes pelo Simples Nacional.


O que muda a partir deste ano

Com tributação simplificada, os pequenos negócios terão facilidade para crescer

TRIBUTAÇÃO
COMO ERA
A PARTIR DE 2018
Saída do Simples
As empresas do comércio que saíam do Simples por terem excedido o limite de receita tinham aumento de até 54% na carga tributária; as da indústria até 40% e as de serviços 35%.
Criação de faixa de transição para empresas (R$ 3,6 a R$ 4,8 milhão), para que não haja aumento repentino da carga tributária na mudança do Simples para o Lucro Presumido.
Redução de Faixas
Existiam 20 faixas de tributação, complicando a vida do empreendedor. O progresso de crescimento da receita para mudanças de faixas também não era clara, causando medo de crescer.

Passam a existir apenas seis faixas de tributação, aumentando a previsibilidade da quantidade e do aumento da tributação.
Tributação progressiva
Entre uma faixa e outra de tributação, existiam aumentos que podiam chegar a 36%, criando medo de crescimento nas empresas.
O Simples passa ater aumento suave por meio da tributação por faixas, igual ao modelo do Imposto de Renda Pessoa Física. A nova alíquota decorrente de receita somente incide no que exceder a faixa anterior.


Com redução de alíquotas, poderão criar mais empregos

FATOR EMPREGO
COMO ERA
A PARTIR DE 2018
Menos alíquotas
O Simples possuía quatro tabelas de tributação para o setor de serviços. A situação do setor poderia ser mais simplificada, tomando a tributação mais uniforme.

O setor de serviços terá três tabelas de tributação, com redução das alíquotas para empresas que destinarem mais de 28% do seu faturamento ao custeio da folha de pagamento, pro-labore e encargos da empresa. É o chamado fator emprego, que passa a incentivar ainda mais a criação de vagas.


Quem é MEI poderá se formalizar sem receio

MEI
COMO ERA
A PARTIR DE 2018
Aumento do limite
Limite de R$ 60  mil anuais, desde 2012.
Ampliação do limite para R$ 81 anuais, incentivando a formalização.

Seguro-desemprego
A simples existência de registro como MEI firmava presunção de existência de renda e impedia o recebimento do seguro-desemprego.

O impedimento ocorrerá somente se constar receita da declaração anual simplificada apresentada pelo MEI.



Os pequenos negócios terão a dupla fiscalização 100% assegurada, em todos os estados do Brasil

PROCON
COMO ERA
A PARTIR DE 2018
Princípio da dupla visita
Em várias localidades havia a interpretação de que se podia autuar o pequeno negócio na primeira fiscalização, em temas relacionados ao consumo.
Aplicação do princípio da dupla visita, com indicação dos procedimentos corretos e tempo de adaptação para a empresa.


Incentivo tributário para as parcerias nos salões de beleza é boa notícia para o setor

SALÃO DE BELEZA 
COMO ERA
A PARTIR DE 2018
Parcerias reconhecidas
Os salões de beleza eram tributados pelas receitas geradas em suas instalações por parceiros como cabelereiros, barbeiros, esteticistas, manicures, pedicuros, depiladores e maquiadores.

Os valores repassados para os profissionais parceiros não farão parte da receita bruta da empresa para fins de enquadramento no Simples Nacional.


Inclusão dos pequenos produtores de bebidas no Simples Nacional também pode incentivar crescimento desse setor promissor

PRODUTORAS DE BEBIDAS
COMO ERA
A PARTIR DE 2018
Inclusão no Simples
Era vedada a opção pelo Simples aos micro e pequenos fabricantes de bebidas alcoólicas.
Passam a poder optar pelo Simples, os produtores e vendedores no atacado caracterizados como micro e pequenas cervejarias, vinícolas, fabricantes de licores e destilarias. Devem ser registradas no Ministério da Agricultura e obedecer às normas da Anvisa e Receita Federal. 


Outras inovações...

-  Incentivo aos investimentos em MPE (investidores-anjo): Antes de 2017, os investidores eram efetivados como sócios e as MPE perdiam o direito ao Simples. Desde janeiro de 2017, os investimentos passam a ser regulados por um “contrato de participação” e as MPEs garantem a permanência no Simples Nacional.

-  Baixa simplificada: Na ocorrência de fraude na formalização, o processo de baixa exigia comparecimento do MEI e apresentação de documentos em papel. A partir de 2018, começa a funcionar o processo simplificado, exclusivamente eletrônico.

-  Incentivo à exportação: A figura do operador logístico internacional somente atende a MPE optante do Simples. A partir de 1º de janeiro de 2018, os serviços de logística internacional simplificados já podem ser contratados por todas as MPE de forma eletrônica.

-  Simplificação do nome empresarial: Até então as MPE utilizavam obrigatoriamente as expressões “microempresa” ou “empresa de pequeno porte” ou suas respectivas abreviações, “ME” e “EPP”, acrescidas ao seu nome empresarial. A partir de 2018, o uso das expressões ou abreviações deixa de ser obrigatório.














Assessoria de Imprensa do Sebrae no Maranhão
(98) 3216-6133

Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800
Facebook.com/sebraema
Youtube/umcsebraema
Twitter: @Sebrae_Ma
Instagram: @SebraeMaranhao



Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...